Após nota de repúdio, presidente do Sintesac conclama servidores e demais entidades à luta

Publicado em 30 de janeiro de 2018 às 14:32

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Acre (Sintesac), Adailton CruzO presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Acre (Sintesac), Adailton Cruz, conclamou todos os servidores da saúde e as demais entidade representativas destes para, em conjunto, traçarem uma estratégia de enfrentamento ao corte de salários promovido pelo governo do Estado. 

O Sintesac também divulgou uma nota de repúdio à ação governamental de parcelar os salários atrasados. Uma Assembleia Geral (AG) da categoria deve ser marcada para o próximo dia 06 (terça-feira), onde a orientação primária é pela entrega dos plantões extras e não está descartada uma paralisação.

A questão agora é saber qual o setor do governo vai ser o próximo a ter os salários atrasados com a desculpa de problemas na folha de pagamento e depois pagos de forma parcelada. “Hoje são os servidores da Saúde, amanhã qualquer órgão do Estado poderá ser a vítima se todos não se unirem contra estas atitudes nefastas. Se o governo quer economizar, que corte cargo comissionado e mordomias”, destacou o presidente do Sintesac.

Cortes nos salários atinge a todos

Para o presidente do Sintesac, o atraso e parcelamento dos salários dos servidores da saúde envolve diversas categorias e outros sindicatos, razão pela qual a luta deve ser pensada em conjunto com as demais entidades:

“Mas não queremos ficar sós nesta luta e vamos conclamar os demais sindicatos, farmacêuticos, odontólogos, técnicos de laboratório e de enfermagem, médicos, condutores de ambulância, radiologistas e demais para, em conjunto, unificar a luta, pois todos os servidores da saúde foram atingidos”, salientou.

Governo sem respeito

“Esse governo desrespeita a cada dia os trabalhadores e o povo do nosso Acre não merece este tipo de coisa. Mas nós vamos dar uma resposta à altura, pois ninguém pode trabalhar sem receber os seus salários. As primeiras atitudes podem ser paralisar as atividades que envolvem os plantões extras e talvez até simplesmente entregar este tipo de plantão, pois é um direito nosso”, destacou Adailton. 

O sindicalista salientou também ir buscar na Justiça o direito dos trabalhadores, pois todos têm contas à pagar, mas ressaltou que, como sempre, Infelizmente a população é quem vai pagar pelos absurdos cometidos pelo governo.

Falta de compromisso governamental

“Para este governo o pior parece não ter fim. É uma falta de compromisso total para com a saúde pública. Os servidores estão em alerta e vai realizar na próxima semana uma AG dentro dos prazos legais, pois não há qualquer garantia de recebimento pelo trabalho realizado. Afinal, nem mesmo o pagamento de janeiro está garantido. Não somos lixo para sermos tratados desta forma”, ressaltou Adailton. 

Adailton disse ainda que o momento agora é de refletir “muito bem sobre o futuro, se é isso que queremos para nossas vidas, ou seja, uma total falta de garantia de nosso sustento: temos de escolher se vamos fazer valer nosso direito ou vamos abaixar a cabeça e sermos pisados”.