Governo recua e anuncia suspensão nas demissões de servidores concursados do Pró-Saúde

Publicado em 29 de novembro de 2017 às 14:53

A luta empreendida pelos movimentos sindicais e em especial pelo Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Acre (Sintesac), com o apoio do deputado Raimundinho da Saúde, resultou em um ganho imediato no que diz respeito às demissões do Pró-Saúde: todas as demissões estão suspensas.



A informação foi repassada à equipe de negociação dos servidores em saúde durante reunião da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Estado Acre (Aleac) e foi considerada uma vitória do movimento sindical.  A notícia foi extremamente comemorada pelos líderes sindicais empenhados na luta em defesa do Pró-Saúde.

Segundo o líder do governo na Aleac, deputado Daniel Zen (PT), estão suspensas as demissões dos servidores concursados do Pró-Saúde e, da mesma forma, ficam também suspensas as demissões em curso (não efetivadas). 

O governo assumiu ainda o compromisso de que, se houver a necessidade de demitir mais alguém para cumprir a meta pactuada com o Ministério Público do Trabalho (MPT), esta será feita a partir da exoneração dos ocupantes de cargos comissionados. 

Sindicalistas comemoram a vitória temporária

“Sabemos que a questão ainda não foi resolvida em sua totalidade, mas só o fato de cessarem as demissões dos companheiros concursados do Pró-Saúde e o recuo do governo, já é um fato a ser comemorado, pois mostra que juntos podemos mais”, afirmou o presidente do Sintesac, Adailton Cruz.

José Augusto Ayache, presidente do Sindicato dos Condutores de Ambulâncias (Sindconam), destacou a importância da presença dos colegas quando chamados ao movimento: “Quando os servidores do Pró-Saúde mostraram a força do movimento, tivemos esta pequena vitória, mas agora vem o fim da guerra e para isso precisamos estar constantemente mobilizados”.

Para o ex-presidente do Sintesac, João Batista Ferreira dos Santos, ainda vai ser preciso aprovar as alterações na Lei do Pró-Saúde e a sanção governamental para encerrar toda a disputa de vez: “Mas o fato de saber que, ao menos por enquanto, não haverá demissão de colegas do Pró-Saúde já é um alento a todos nós. Vencemos uma batalha, mas ainda tem guerra pela frente e só vamos parar quando for uma decisão em definitivo’.