Sintesac protocola pedidos de intervenção do MPT, MPF e MPAC na questão da terceirização

Publicado em 08 de dezembro de 2017 às 08:48



Uma equipe de diretores do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Acre (Sintesac) esteve visitando os representantes da três esferas do Ministério Público nesta quinta-feira (7) para solicitar a intervenção destes órgãos no obscuro processo de terceirização da saúde em andamento do Estado. 

As denúncias foram protocoladas junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT), Ministério Público Federal (MPF) e Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), onde receberam apoio por parte dos promotores.

Conforme revelou o presidente do Sintesac, Adailton Cruz, foi entregue a cada promotor um documento com um relato sobre a real situação da saúde pública estadual. Os promotores se mostraram sensíveis à causa pleiteada pelos sindicalistas.

“Nós procuramos chamar a atenção deles em relação aos possíveis desvios de recursos públicos e o uso da estrutura como curral eleitoral dado o fim dos concursos, tendo como resultado a queda da já ruim qualidade do serviço prestado. Por conta disso pedimos a intervenção deles para barrar este processo”, relatou o presidente do Sintesac.

Leia Também: Movimento em defesa do Huerb e contra a terceirização da saúde reúne centenas de pessoas

Adailton relatou que o representante do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), Glaucio Ney Shiroma Oshiro, abriu um procedimento para investigar o caso. “Nós fomos muito bem recebidos por todos eles, a quem entregamos uma cópia de cada ação ajuizada em defesa da saúde pública”, destacou.

O sindicalista revelou ter sido receptiva a visita e os promotores concordam que o processo não pode ser dar dessa forma, sem uma ampla discussão sobre a real necessidade e também viabilidade econômica.

“Foi uma excelente atividade, onde cumprimos nossa responsabilidade sindical de defender os nossos mais de sete mil filiados e esperamos com isso ganhar mais força nesse processo e barrarmos este absurdo”, informou Adailton. 

Além de Adailton estavam também o vice-presidente, Jean Lunier, a diretora de saúde do trabalhador e presidente do Conselho Municipal de Saúde, Alesta Amâncio, e o assessor jurídico, Marcelo Neri.